quarta-feira, janeiro 29, 2014

Anatomia de uma estrela do mar

Adoro pesquisar sobre a anatomia de seres vivos diferentes (do tipo que nós não aprendemos na faculdade), e hoje passei um tempo lendo sobre a anatomia das estrelas-do-mar!

Aqui vai um esqueminha:


Agora o que cada parte faz?

O madreporito é uma estrutura porosa que permite que a água salgada entre no sistema vascular dos equinodermos. Essa água segue pelo canal petreo para o canal circular e depois para o canal lateral e radial.

Curiosidade: se você cortar uma estrela-do-mar na metade e ela ainda tiver um pedaço do canal circular, ela permanecerá viva e novos braços irão crescer.

O canal radial manda água para as ampolas, que servem de reservatório e assistem na locomoção do ser vivo.

Todos os "braços" tem a mesma anatomia (gônadas, glândula digestiva, canal radial e ampolas).

Esses seres não tem coração ou sangue. Seus nutrientes são espalhados pelo corpo pelo sistema digestório (estômago e glândula digestiva - estômago cardíaco, ducto pilórico e ceco pilórico)

Abaixo está o vídeo feito por um professor ensinando os seus alunos a dissecar uma estrela-do-mar.
(está em inglês, mas com o esqueminha acima é possível entender o que ele esta mostrando).



Curioso né?
Verônica Pardini, DVM Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, janeiro 28, 2014

Dica: Sites para quem gosta de medicina de animais selvagens e marinhos

Todos que gostam de medicina de animais selvagens e marinhos devem conhecer os site abaixo:

International Association for Aquatic Animal Medicine

American Association of Zoo Veterinarians

Association of Zoos and Aquariums

Nestes sites vocês acham oportunidades de estágio e emprego. Além disso, você fica a par de todos os eventos, como conferências e encontros!


Então coloquem já na sua lista de favoritos!
Verônica Pardini, DVM Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, janeiro 27, 2014

Duende das profundezas

Não preciso  nem dizer que eu já comecei a surtar só de pensar que logo tenho que começar a me preparar para o CPE .... mas vamos que vamos!

Hoje é dia de falar do tubarão mais feio dos oceanos (coitado): O tubarão-duende.


Este tubarão rosado de pele mole que vive em águas profundas (1200m) não parece deste mundo.

Sua pele é transparente, e o que você esta vendo vermelho são sua veias sanguíneas.
25% do seu peso corporal vem do seu fígado - o que ajuda na sua flutuabilidade.

Seu focinho diferente serve como um "detector de metal" especializado em encontrar alimento no fundo do oceano, o que é super necessário para um animal que tem olhinhos tão pequenos - o focinho alongado tem muitos sensores (ampolas de lorenzini) que detectam até o menor sinal de corrente elétrica, e todos os seres vivos tem alguma corrente elétrica passando em seu corpo.

O tubarão-duende se alimenta de caranguejos, peixes de águas profundas, camarões, tubarões e outras criaturas que vivem em seu habitat.

Para capturar suas presas o tubarão "joga" sua mandíbula para frente - sua mandíbula é presa apenas por ligamentos por isso o animal consegue "joga-la" tão longe (repare no vídeo abaixo).


Feinho né? Esse animal só foi visto 50 vezes até hoje desde sua descoberta em 1897.
Verônica Pardini, DVM Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

sexta-feira, janeiro 24, 2014

Quick facts sobre o Beija-Flor

O dia está maravilhoso, por isso decidi dar uma volta. Nessa volta vi um beija-florzinho voando pra lá e para cá.... a coisinha mais linda! Daí veio a inspiração pro post de hoje! :)


Você sabia.....

Que existe mais de 325 espécies de beija-flor no mundo?

Que o beija-flor quando voa tem o metabolismo mais rápido de todos os animais? - com exceção dos insetos.

Que o beija-flor tem que consumir o seu peso em néctar todos os dias para sobreviver?

Que a sua frequência cardíaca pode chegar a 1260bpm

Que para sobreviver a noite eles precisam entrar em um estado de torpor para que o seu metabolismo tenha uma redução significativa? - a sua frequência cardíaca diminui e a sua temperatura corporal cai de 40C° para 12C°.


Lindos e especiais!
Verônica Pardini, DVM Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, janeiro 23, 2014

A jornada rumo ao sonho americano (Navle Results!!!!!!!)

Bom estou aqui para dizer que ontem (eu não tive tempo de postar para vocês :( ) descobri que eu PASSEI NO NAVLE!!!! Uhulllll!!! Não foi de primeira, mas foi de segunda... nossa nem acredito! Por isso eu digo: Não desistam! O sonho americano está mais próximo do que parece!

Lembram que eu falei que quatro letrinhas fazem todo esforço valer a pena? É a mais pura verdade, acreditem!


Obrigada de verdade pelo apoio de todos! Agora é hora de aproveitar um pouco.... mas depois a jornada continua na sua reta final: o CPE!
O maior prazer na vida é fazer o que as pessoas dizem que você não consegue.

Beijo e Boa Noite a todos!
Verônica Pardini, DVM


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, janeiro 21, 2014

Roteiro de Anamnese

Bom dia!!

Todo veterinário sabe que uma boa anamnese é essencial durante a consulta. Você sabe fazer uma boa anamnese? Vou colocar um roteirinho básico aqui que vai ajudá-lo:


1. Identificação do animal - espécie, raça, sexo, nome, idade.

2. Queixa principal.

3. Sistema digestório.
Apetite e deglutição - normorexia, hiporexia, polifagia, parorexia, disfagia, apetite seletivo.
Emese e regurgitação - início, quantidade, frequência, aspecto.
Defecação e fezes - normoquesia, disquesia, diarréia, hematoquesia/melena, início, aspecto, frequência.
Ingestão de água - normodipsia, polidipsia, oligodipsia, adipsia.

4. Sistema cardio-respiratório.
Respiração - dispnéia, taquipnéia, bradipnéia.
Tosse/Espirro - período, frequência, produtiva ou não.
Secreção nasal e/ou ocular - início, aspecto, quantidade.
Intolerância ao exercício - cansaço pós exercício, síncope, cianose.
Aumento de volume - edema de membros, ascite, vai para o litoral.

5. Sistema gênito-urinário.
Micção - anúria, oligúria, poliúria, disúria, estrangúria, polaquiúria, colúria, incontinência.
Fêmeas - castrada, intrvalo entre cios, cruzamentos, pseudociese, contraceptivos, corrimento, secreção, parto anterior, aborto.
Machos - libido, cruzamentos, castrado, agressividade, postura de micção.

6. Sistema nervoso-locomotor.
Convulsões ou alterações de comportamento - início, frequência, tipo, fatores iniciantes, caracterização de fases.
Postura e marcha - base ampla, dificuldade para se locomover, dor para se movimentar, ataxia, paresia, paralisia, dificuldade de transpor obstáculos.
Possibilidade de intoxicação - banhos, injeção carrapaticida, dedetização, água de bateria.

7. Peles e anexos.
Pele - prurido, descamação, odores, lesões, localizações.
Orelha - prurido, secreção, odor, meneios cefálicos, normoacusia, acusia.
Unha - crescimento, queda, fratura.

8. Manejo.
Presença de ectoparasitas - pulgas (puliciose), carrapatos (ixodidiose).
Ambiente - domiciliado, semi-domiciliado, acesso à rua, quintal, presença de roedores na região.
Dieta - ração, comida caseira, frequência, quantidade.
Banhos - produto, frequência.
Vacinação - quando, quais, onde (campanha, pet shop).
Contactantes - quais, estado geral.
Antecedentes mórbidos - quando, diagnósticos, resultados de exames complementares, resolução do quadro, tratamentos anteriores.

Curta a pagina do blog no facebook e não perca nenhuma novidade! 
 M.V. Verônica Pardini Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, janeiro 20, 2014

Macaco-dourado

O animal dessa semana foi escolhido pela sua beleza....


Eu sei que ele tem um narizinho estranho (por isso em inglês é chamado de "macaco do nariz arrebitado"), mas parece uma pintura, não acham?! Da sua cor viva e brilhante vem o seu nome: Macaco-dourado (Rhinopithecus roxellana).

São animais muito sociáveis, vivem em grupos de 20-30 indivíduos no inverno, mas podem chegar a grupos de 200 indivíduos no verão!


Esses primatas diurnos e herbívoros são encontrados nas florestas montanhosas da China central. Eles vivem aproximadamente 97% de suas vidas em cima das árvores - grande parte da região onde vivem hoje em dia é protegida.


O Macaco-dourado está na lista de "Ameaçados de extinção" da IUCN - sua principal ameaça são os seres humanos (pra variar). Eles são caçados pela sua pele, pela sua carne e com fins medicinais (acreditavam que seu couro podia prevenir o reumatismo).

Curta a pagina do blog no facebook e não perca nenhuma novidade!
M.V. Verônica Pardini Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, janeiro 16, 2014

John Hyde: Wild things photography

Um sonho de consumo: conhecer o Alasca!

John Hyde é um fotógrafo especializado nos animais e paisagens do Alasca! Me apaixonei pelo trabalho, e fiquei com mais vontade ainda de ir!

Confira algumas de suas fotos:











De tirar o fôlego não é mesmo?
Planejando as minhas próximas férias em 5...4...3...2...1

M.V. Verônica Pardini Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quarta-feira, janeiro 15, 2014

Blackfish: fatos e mentiras.

Lembram que no começo de agosto de 2013 eu postei sobre o "Blackfish"? Como prometido estou aqui para compartilhar o documentário online e o meu ponto de vista.

Peço a todos que forem ver o documentário, que tenham uma visão crítica, e que formem suas opiniões baseadas em fatos. 

Neste link você consegue ver "Blackfish" na íntegra:
Blackfish 2013


Confesso que fiquei revoltada com a maneira que a diretora distorceu os fatos e manipulou depoimentos.

O que Mark Simmons, ex-treinador da Sea World, disse após assistir o documentário (de que faz parte):

"Senti náusea. Se você já viveu algo intimamente, e assiste um filme sobre o assunto, um filme que parece muito bem feito, muito credível, mas que não tem nada haver com a realidade... você saberia como estou me sentindo. Fiquei enjoado. O documentário foi feito com mentiras e poucos fatos verídicos que serviram para envolver pessoas desinformadas. Pior, minha opinião foi editada para parecer que eu concordava com a visão da Gabriela. Senti raiva e vergonha."

O que Bridgette Pirtle, ex-treinadora da SeaWorld, acreditava que o documentário iria expor (ela fez parte do documentário):

"Pensei que ela estava fazendo um filme que respeitasse mais a memória de Dawn, que entendesse os aspectos da vida de um treinador de Orcas, as circunstâncias únicas que o treinamento de Orcas é realizado. Pensei que este filme iria trazer algum tipo de final, respostas, que iria trazer paz e harmonia, mas isto está longe do que realmente aconteceu."


Alguns pontos sobre o filme e o que eu penso sobre o assunto:
 2. "Cerquem uma parte do mar com uma rede e coloquem o Tilikum lá" - ok, a idéia não é completamente ruim. Mas parem para pensar: e se ele quebrar a barreira e escapar? - acha que seria bom para ele? Leia o nº 1. 
3. Concordo que shows com piruetas não são legais e não deveriam mais existir, não precisamos expor os animais a estas situações para nos sensibilizarmos. Mas infelizmente o ser humano precisa de algum tipo de contato, ele precisa estar próximo, precisa ver, precisa tocar para entender e acreditar na importância da conservação e da preservação. Gostaria que a SeaWorld fizesse uma exibição simulando o habitat natural desses animais (aquários, como o o da Georgia, já mostraram que é possível melhorar a vida em cativeiro de grandes animais marinhos)
4. A SeaWorld não estava envolvida na captura de Tilikum, ele foi capturado para a Sealand - não que isso faça a captura de Orcas uma prática aceitável, muito pelo contrário, é terrível e cruel. Mas nem tudo é culpa da SeaWorld, como o documentário quer que a gente acredite.
5. A Dawn Brancheau Foundation não esta envolvida com nenhuma luta pelos direitos dos animais, ou movimentos "libertem as Orcas", mas é sim afiliada a SeaWorld e ao Busch Gardens - a Fundação também não tem nenhuma relação ou envolvimento com o documentário (a Gabriela tentou de novo nos manipular a acreditar em uma mentira).
10. Não estou aqui alegando que a SeaWorld é perfeita, ela não é, mas esta instituição é parte essencial em projetos de educação ambiental e projetos de conservação, além disso ela reabilita centenas de animais marinhos anualmente - quer ler mais sobre esse trabalho? acesse este link
Dawn e Tilikum
M.V. Verônica Pardini


1. "Free the Orcas" ("Libertem as Orcas"), isso é lindo né? Não, não é. É uma fantasia achar que animais nascidos e criados em cativeiro conseguirão se adaptar ao seu "habitat natural" - infelizmente "Free Willy" é pura ficção. Eles não sabem caçar, eles não fazem parte de uma família, estão acostumados demais ao contato humano.... como sobreviver no oceano assim? Livres eles morreriam.



Gente não vou entrar no tema "zoológicos e aquários não deveriam existir", senão o post ia ficar muito mais longo do que já está...podemos discutir isso um outro dia ok?


  
6. Membros da família, amigos e colegas de Dawn não deram depoimentos, pois não queriam "sensacionalizar" a sua morte - a irmã de Dawn, que falou no Blackfish, não sabia que estava sendo entrevistada para o documentário. A Gabriela fingiu participar da corrida para gravar o depoimento.

7. Todos os ex-treinadores que fazem parte do documentário não tem metade da experiência que Dawn tinha (um deles até foi demitido da SeaWorld por mau comportamento perante aos animais e a sua segurança), se ela tivesse notado qualquer indicio que o Tilikum não estava em um "bom dia" ela teria parado a sessão - de acordo com Mark Simmons, a SeaWorld não obriga nenhum treinador a entrar na água com o animal caso ele não se sinta seguro.

8. No documentário falaram que estava acabando o peixe do balde - grande coisa! Eles tem baldes reservas cheios de peixe ao redor da piscina durante as sessões de treinamento.

9. As mortes e acidentes realmente aconteceram. Eu concordo que as medidas de segurança devem ser aprimoradas, mas dizer que as baleias em cativeiro "enlouquecem" já é um pouco demais para engolir. Quem trabalha ou já trabalhou com animais em cativeiro (em zoológicos e aquários bons) sabe que não é bem assim que funciona, para isso existe enriquecimento ambiental, medicina veterinária especializada, treinadores e recintos que se assemelham cada vez mais ao seu habitat natural.


Quer saber mais sobre a verdade por trás do documentário? Leia os depoimentos abaixo:
Resposta da SeaWorld
Mark Simmons, ex treinador da SeaWorld
Bridgette M. Pirtle, ex treinadora da Sea World
Ken Ramirez, Executive Vice President of Animal Care and Training for Shedd Aquarium  

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, janeiro 14, 2014

Herpervírus B em Macacas


Sabe aquele dia que você não está inspirada? Então, estou em um desses dias. Resolvi "fuçar" nos materiais que tenho aqui no computador, e me deparei com o meu relatório de estágio (nem acredito que já tem 1 ano e meio que estou formada!). Como é um tema interessante resolvi postar para vocês uma parte dele!

Herpesvirus Tipo B (CeHV-1 ) em Macacas: 
Pardini, V. G. P. 
Macaca Nigra
Macaca é um gênero de primatas da família Cercopithecidae, que inclui várias espécies de macaco. O grupo esta distribuído por todo o Velho mundo, desde a África até o Japão (Louisiana Office of Public Health, 2009).

Dos 35 herpesvirus identificados em primatas não humanos, apenas Cercopithecine herpesvirus 1 (Virus B) é considerado zoonótico (Huff e Barry, 2003). Este vírus em macacas, seu hospedeiro natural, pode ser assintomático ou pode causar apenas sintomas leves, similar ao do Herpesvirus tipo 1 em humanos. Os animais uma vez infectados continuam liberando vírus ao ambiente, mesmo quando não apresentam lesões (Engel et al, 2002). 

Em contraste à sua natureza benigna em macacas, em humanos o CeHV-1 causa meningoencefalite, com uma taxa de mortalidade de 70% (Engel et al, 2002). A transmissão para os humanos ocorre de maneira direta, através de mordidas, arranhões, contato com tecidos, fluidos ou células infectadas.

Esse assunto é de extrema importância para pessoas que trabalham diretamente com estes animais, veterinários se encaixam nesse perfil e devem ter o conhecimento básico para prevenção e diminuição dos riscos de transmissão. 

Todo animal da família Cercopithecidae deve ser considerado positivo para Herspesvírus B e todas as maneiras de prevenção devem ser usadas quando lidando com esses primatas. Entre elas está o uso de equipamento de proteção individual (óculos protetores, mascara, luvas, toca, pijama cirúrgico e proteção para os calçados) (Louisiana Office of Public Health, 2009).

Caso ocorra exposição ao vírus, lavar o local da mordida/contato com água e sabão por pelo menos 20 minutos, administração de medicamentos antivirais pode ser realizada, mas não há comprovação de eficácia (Louisiana Office of Public Health, 2009).

E vocês falaram sobre o que em seu TCC/ Relatório de Estágio?
M.V. Verônica Pardini
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, janeiro 13, 2014

Bela gigante

Mais uma semana esta começando... e nada melhor do que iniciar a segunda feira falando de um animal enorme, maravilhoso e.... ameaçado de extinção.

A Tartaruga-de-couro é a maior tartaruga do mundo - podendo chegar a 2 metros de comprimento e 900kgs. 


Enquanto outras outras tartarugas tem uma carapaça dura, as "de-couro" têm uma carapaça mais flexível que parece borracha ao toque. 

Carnívoras, tem como alimento favorito água-viva

Esôfago de tartaruga-de-couro adaptado para a alimentação de água-viva
 Conseguem mergulhar até 1300m de profundidade e podem ficar 85minutos sem respirar.

Diferentemente de outros répteis, estas tartarugas sofreram adaptações que as permite manter sua temperatura corporal em águas mais frias.

Sua longevidade é desconhecida, mas muitas não sobrevivem muito tempo por causa de ações humanas - ovos são capturados para servir de alimento afrodisíaco, elas confundem sacos plásticos por água-viva, se enroscam em redes de pesca...e por aí vai.

Tive a oportunidade de trabalhar com uma no CRAM (Centro de Reabilitação de Animais Marinhos)
Antigamente presente em quase todos os oceanos do mundo (com exceção do Ártico e Antártico), hoje a população de Tartarugas-de-couro está diminuindo rapidamente em várias regiões do mundo. 

Quer saber mais? Aqui está o site de uma das organizações que tenta salvar a espécie:
Save our Letterbacks 


M.V. Verônica Pardini
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, janeiro 09, 2014

Trabalho Científico: Tricofoliculoma em hamster chinês (Cricetulus griseus)

Tricofoliculoma em hamster chinês (Cricetulus griseus)
Hippólito, A. G.; Soares, G. D. P.; Carvalho, M. P. N.; Miranda, B. S.; Teixeira, C. R.; Silva, M. C. L.; Masseno, A. P. B.

Introdução:

Os hamsters possuem alta taxa metabólica, são onívoros e praticam a coprofagia. O linfoma e a neoplasia de adrenal são as neoplasias mais comuns nestes animais e os tumores de pele e subcutâneo, são raros. O tricofoliculoma é uma neoplasia de pele benigna, frequentemente encontrada em porquinhos-da-índia, o qual se origina dos folículos pilosos, com a arquitetura semelhante a um hamartoma. O tricofoliculoma é composto por folículos secundários irradiados no padrão arborizados a partir dos folículos primários, que se apresentam grandes e dilatados.

Relato de Caso:

Hamster chinês, macho, 47g, com aproximadamente 1 ano de idade, foi atendido no Centro de Estudos de Medicina e Pesquisa de Animais Selvagens- CEMPAS, situado na UNESP de Botucatu. A queixa principal era o aumento de volume em região torácica há três meses. Ao exame físico constatou-se massa firme, não pedunculada, em subcutâneo, de aproximadamente 2cm de diâmetro, não ulcerada. Foram realizados citologia e debridamento superficial da lesão. A citologia acusou pouca celularidade, com presença de ceratinócitos. Após 17 dias a massa foi removida cirurgicamente com o animal anestesiado, foi observada que a massa não estava aderida a musculatura e exibia o aspecto ulcerado. Suturou-se a pele com Nylon 3-0, utilizando o padrão de sutura cushing e pontos simples separados e foi indicado curativos diários com pós antisséptico. A diferença do peso do animal após o procedimento foi 6g. O paciente apresentou deiscência dos pontos depois de uma semana do procedimento. Foi aplicado penicilina benzatina, 22.000 UI na via intramuscular e foi realizado curativo em dias alternados. Recomendou-se a troca do substrato da gaiola de cepilho para papel toalha, com rolo de papel higiênico para servir de ponto de fuga. Apenas dois curativos foram necessários, que consistia na aplicação de clorexidine tópico com açúcar, por 8 minutos, em seguida, limpeza e nova aplicação de clorexidine tópico. A ferida cicatrizou rapidamente, indicando a efetividade da associação terapêutica e o ótimo prognóstico do caso, tendo em vista a benignidade do tricofoliculoma e cura com remoção cirúrgica.

Conclusão:

A penicilina benzatina e o clorexidine tópico aliado ao açúcar estimulou a proliferação do tecido de granulação, contribuindo para a cicatrização da ferida contaminada e proporcionando rapidez no fechamento da lesão. Por tratar-se de tricofoliculoma, a cura com a remoção cirúrgica do tumor benigno possui ótimo prognóstico.




Tem algum artigo científico que você acha que é legal compartilhar? Mande para drapardini@gmail.com

M.V. Verônica Pardini Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

terça-feira, janeiro 07, 2014

Notícia: Gêmeos siameses de Baleia-cinzenta

Eu sei, eu sei que hoje é dia de post sobre medicina veterinária, mas tem uma notícia fresquinha super interessante que eu achei legal compartilhar com vocês!

No último domingo cientistas acharam um espécime de baleia cinzenta "siamesa", na Laguna Ojo de Liebre no México! Este é o primeiro relato dessa má-formação em baleias cinzentas - há relatos de gêmeos siameses em baleias minke e baleias-sei.


Infelizmente os gêmeos foram encontrados mortos (provavelmente foram abortados) - eles eram bem menores do que filhotes normais de baleia cinzenta, e não estavam completamente formados.



A carcaça será utilizada para estudos.

Uau né? Adoro começar a semana com essas notícias interessantes!!
M.V. Verônica Pardini Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

segunda-feira, janeiro 06, 2014

Peixe da Floresta

Nossa como é duro virar gente grande... todos os seus amigos de férias nessa época do ano, e você trabalhando (faz parte, né?).

Que saudade de quando eu era criança... quando eu tinha 2 meses de férias para fazer o que eu tinha vontade!
Essa semana vi no facebook um animal que me lembrou um desenho da minha infância: Pokemon.

Pangolim Pokemon
 Este é o Pangolim - os chineses os chamam de "peixe da floresta", pois sua aparência é muito estranha para ser um mamífero.


Ele é coberto por escamas córneas, dispostas umas sobre as outras (como se fossem telhas) - estas placas são tão duras que chegam a riscar alguns metais. Ele é o único mamífero com esse tipo de proteção. 

São animais lentos e densengonçados, sem sua armadura seriam presa fácil - como os tatu-bola, os pangolim podem se enrolar completamente.

Leoa não conseguindo devorar um Pangolim
É um animal de hábitos noturnos e sua alimentação é composta por formigas e cupins que eles apanham com a sua língua pegajosa.

Bebê-Pangolim

Boa semana para todos!
M.V. Verônica Pardini Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

quinta-feira, janeiro 02, 2014

Doença da dilatação do proventrículo

2014 já começou e o blog não pode parar!

Hoje vou falar de uma doença importante para os psitacídeos, a Doença de Dilatação do Proventrículo.

É uma doença (muito provavelmente) viral (Bornavirus) que acomete aves de todas as idades, destrói os nervos do trato gastrointestinal, e tem alto índice de mortalidade.

Sinais clínicos:
  • Perda de peso.
  • Regurgitação.
  • Fezes com alimento não digerido.
  • Incoordenação.
  • Tremores.
  • Fome constante.
Diagnóstico:
  • Exame radiográfico (lateral e ventro-dorsal) - proventrículo e ventrículo aumentados.
Proventriculo (PV) normal.                                                              Proventriculo dilatado.

  • Exame radiográfico contrastado - passagem de alimento pelo trato digestivo mais devagar, parede do proventriculo mais fina.
  • Biópsia (exame histopatológico) da parede do inglúvio - amostra deve incluir uma veia grande para observação dos nervos (75% dos casos são confirmados com este exame).
Necrópsia de arara com dilatação de proventriculo.


Tratamento - alguns animais respondem ao tratamento, outros apenas tem alguns dias/meses a mais de vida:
  • Alimentação úmida com maior quantidade de fibras e pouca semente.
  • Antibióticos de amplo espectro (trimetropim e sulfa).
  • Procinético (Cisaprida).
  • Antiinflamatórios não esteroidais (Meloxicam).

A ave que se recupera pode ser uma carreadora da doença, assim como algumas aves que não apresentam sintomas clínicos.

Lembre-se este texto é para referência e aprendizado! Se o seu animal está "estranho" leve ele à um VETERINÁRIO especializado ok?

M.V. Verônica Pardini Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...