terça-feira, fevereiro 12, 2013

Clamidiose/Ornitose/Psitacose

Se você gosta de medicina tanto quanto gosta de animais, você vai amar os posts de terça-feira! 

Hoje o assunto do dia é a Clamidiose! 

Também conhecida com Psitacose (quando afeta psitacídeos) ou Ornitose (quando afeta outras aves)!
  • Psitacídeos são as araras, papagaios, cacatuas, periquitos, tiribas, calopsitas entre outros.
Lóris arco-íris (Trichoglossus haematodus) Fonte : fellowshipofminds.wordpress.com

O agente causador desta doença é uma bactéria gram negativa chamada de Chlamydophila psittaci (antiga Chlamydia).

Chlamydophila psittaci vista em microscopia eletrônica (Fonte: sciencedirect.com)
  • É um parasita intracelular obrigatório.
  • Acomete aves, mamíferos e répteis.
  • Muitas aves são portadoras desta bactéria sem apresentar sinais clínicos, mas podem eliminar o patógeno ativamente.
Esta doença é considerada uma zoonose (isso quer dizer que pode ser transmitida do animal para o ser humano).
  • Quando ele entra em contato com animais  portadores, ou ainda com secreções, dejetos ou produtos derivados dos mesmos.
  • Sintomas em humanos: dor de cabeça, febre, pneumonia. Há relatos de casos fatais.
Doença de distribuição universal, ocorrendo em qualquer estação do ano.

Transmissão: via aerógena (patógeno se dispersa via pó de pena, fezes secas), via oral, transmissão vertical (da mãe para o ovo) também já foi relatada.

Doença clínica é induzida por fatores estressantes associados ao manejo inadequado.
  • Sinais clínicos podem ser: agudo, subagudo ou crônico. 
    • A virulência e patogenicidade depende da cepa infectante (há várias cepas (tipos) de Chlamydophila).
  • Depressão, anorexia, desidratação, blefarite, ceratoconjuntivite, asas pendentes, tremores e outros sinais respiratórios, digestórios, urinários e neurológicos.
  • Amazona, Ara e aves jovens são mais susceptíveis a infecção aguda fatal.
Calopsita doente (Fonte: clinicavetzoo.blogspot.com)

Diagnóstico:
  • Hemograma: anemia (Ht: 20-30%).
  • Leucograma: leucocitose - heterofilia com desvio a esquerda, monocitose relativa e linfócitos reativos.
  • Perfil bioquímico sérico: ALT (aumentada), AST (aumentada), CK (aumentada), ácido úrico (normal), ácidos biliares (aumentados).
  • Exame Radiográfico: hepatomegalia e esplenomegalia.
  • Isolamento e/ou detecção do agente etiológico – PCR/ELISA.
Necrópsia:
  • Lesões macroscópicas: esplenomegalia, hepatomegalia com focos necróticos, sinusite, enterite catarral, pericardite, nefrose e aerossaculite.
Tratamento:  
  • Doxiciclina VO (via oral) por 45 dias.
Lembre-se este texto é para referência e aprendizado! Se o seu animal está "estranho" leve à um VETERINÁRIO especializado ok?

Quer saber mais sobre esta doença? Consulte:
  • Tratado de Animais Selvagens - Zalmir Silvino Cubas, Jean Carlos Ramos Silva, José Luiz Catão-dias
  • Avian Medicine: Principles and Application - Harrison.
  • Avian Medicine - Tully.
Ou mande sua pergunta para drapardini@gmail.com

M.V. Verônica Pardini Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Nenhum comentário:

Postar um comentário